PROMOÇÃO - Magazine Luiza - NÃO PERCA!

Publicidade:

Encontre no blog...

13/09/2009

Como anda o seu Bom Humor?

O bom humor

Observando as pessoas que estão à nossa volta vamos notar que algumas são bem humoradas, mostram-se alegres, expansivas e contagiam o ambiente tornando-o menos tenso e pesado.

Tais pessoas atraem para si a atenção dos demais, facilitam o bom relacionamento e a tomada de decisões, e despertam o otimismo.

Sabemos que, o bom humor não é só benéfico do ponto de vista social. As pesquisas e os relatos científicos demonstram a sua efetiva relação com o equilíbrio e a saúde física, intelectual e emocional.

A palavra humor vem do latim humore, que significa "deixar fluir".

"Estar de bem com a vida não significa ser super-herói e esconder os sentimentos ruins. Pelo contrário, é importante deixar a dor doer até passar", diz a doutora em psicobiologia Thelma Andrade, professora do departamento de ciências biológicas da Universidade Estadual Paulista (UNESP, campus de Assis)

"O otimista também se irrita, mas reconhece que está assim e, tão logo quanto possível, elabora o fato e segue a vida. Não fica paralisado nem remoendo frente a um obstáculo”. (Psiquiatra Alexandrina Meleiro, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo)

O bom humor cura e faz as pessoas levarem a vida mais leve. Faz com que se tenha mais vontade de viver.

Hábitos que ativam o otimismo - Três atitudes que ajudam a ampliar a cota de bom humor:

1-Dormir bem. A privação do sono eleva a agressividade.

2-Atividade física. Estimula a liberação de endorfinas, um tipo de neurotransmissor associado ao bem-estar.

3-Alimentação rica em fibras e nutrientes. Os alimentos certos servem de matéria prima para a produção de parte da serotonina, substância fundamental na química do bom humor.

Entre esses alimentos estão: a soja, carnes magras, peixes, nozes, banana, castanha do Pará, manga, leite e iogurte desnatados, e queijos magros.

"Ser bem-humorado significa perceber que a maior parte das situações que vivemos não é nem muito importante, nem muito séria, nem muito grave". (Sílvia Cardoso, Neurocientista)

Fonte de consulta:

Luiz Gonzaga S.Ferreira - 12/09/09

0 comentários:

Postar um comentário

Gostou do Post? Então espalhe!

Quem está curtindo...

Encontre no blog...

Gostou? Então espalhe!

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More